quarta-feira, 15 de julho de 2015

CATÓLICOS TÊM SEUS NÚMEROS PERCENTUAIS REDUZIDOS EM PESQUISA de 2015



O artigo abaixo foi publicado pelo site Gnotícias e assinado por Tiago Chagas.

Pesquisa mostra que número de evangélicos continua crescendo, e católicos, diminuindo

Tiago Chagas

Uma nova pesquisa sobre religião realizada no Brasil reforça a tendência do Censo realizado cinco anos atrás pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): o número de evangélicos no Brasil continua crescendo, e o de católicos, diminuindo.

No entanto, segundo relatório do instituto Hello Research, os católicos continuam sendo maioria no Brasil. Dentre as 1.000 pessoas ouvidas durante o levantamento, realizado em 70 cidades de todo o país, 57% declararam-se católicas, enquanto 25% afirmou ser evangélico.

A mudança social que o Brasil vem atravessando no quesito religião é inconteste. Em 1991, o Censo do IBGE constatou que 83% dos brasileiros eram católicos. Nesse mesmo ano o papa João Paulo II fez sua segunda visita ao país. No mesmo levantamento, o total de evangélicos somava 9%.

Nove anos depois, o Censo realizado mostrava que os católicos somavam 73,% dos brasileiros. Já em 2010, cinco anos atrás, os católicos já eram 64,6% da população, contra 22,2% de evangélicos. Nessa época, o IBGE destacou que o crescimento dos evangélicos havia sido superior a 66% em dez anos.

A pesquisa de mercado do instituto Hello Research identificou que outra tendência em crescimento é a de pessoas sem-religião. Atualmente, 12% dos brasileiros declaram não seguir nenhuma crença. A maioria dessas pessoas tem idade entre 16 e 24 anos, segundo informações da revista Época.

As demais religiões, dividias entre espiritismo (considerada uma vertente do cristianismo para fins estatísticos), religiões afro-brasileiras e outras crenças com menor representatividade somam 6% dos habitantes do país, que já passam de 200 milhões.

A predominância de cristãos na sociedade brasileira denota um paradoxo, pois as mazelas sociais, corrupção, criminalidade e desigualdade continuam sendo os principais dramas do país, o que contradiz a boa-nova do Evangelho com poder de transformação de caráter e mudança de vida pregada tanto por evangélicos, quanto por católicos.

O artigo original poderá ser visto por meio desse link aqui:


NOSSO COMENTÁRIO

Queremos parabenizar o autor do artigo acima, Tiago Chagas, pela sua capacidade de enxergar a triste realidade brasileira representada pelo massivo crescimento dos evangélicos nos últimos 25 anos: os evangélicos cresceram sim, mas isso não quer dizer que sejam crentes verdadeiramente transformados pelo poder do Senhor Jesus. Se os mais de 40 milhões dos chamados evangélicos fossem de fato, novas criaturas, isso então causaria um impacto de proporções gigantescas na moral e nos costumes de todo esse país chamado Brasil.

OUTROS ARTIGOS SOBRE ESTATÍSTICAS TRATANDO DE RELIGIÕES










Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.

Pesquisa, Católicos, Evangélicos, Diminuição, Crescimento, IBGE, João Paulo II, Censo de 1991, Censo de 2000, Censo de 2010, Pesquisa de Mercado, Sem-Religião, Instituto Hello Research

2 comentários:

  1. JOEL CARVALHO - DF16 de julho de 2015 03:54

    Irmão Alex,

    O senhor sintetizou bem o paradoxo do crescimento dos evangélicos na sociedade brasileira.
    O grande problema é que esse segmento contemporâneo, do ponto de vista cristão expandiu-se como um oceano, mas com a profundidade de uma piscina.
    Lembra-nos a Parábola do Semeador do Amado Mestre, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. São vidas, em sua maioria, que são terreno pedregoso. A semente foi lançada, mas não têm raiz, e por isso não produzem frutos dignos de nova criatura em Cristo. Por isso a nação não sente qualitativamente os efeitos do crescimento numérico desse segmento.
    Mas, ouso dizer que, é quase certo que o grande problema é que não estão lançando a semente genuína do Evangelho, mas outra semente que não aquela que Cristo mandou levar a todas as nações, como descrito em Marcos 16.

    Por isso, a maior responsabilidade não é dos cristãos nominais desse segmento, mas dos VENDILHÕES do Evangelho, que estão enganando o povo, fazendo-os crer que foram alcançados pela Palavra de Deus, quando o que estão ministrando são na verdade muitas mentiras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Joel,

      Concordo com você plenamente.

      Como é necessário ouvir o verdadeiro evangelho para para que haja uma conversão verdadeira, infelizmente nos dias de hoje o que temos é uma mistura de mentiras com verdades que apenas envenenam as pessoas e não conduzem ninguém para a glória eterna.

      Grande abraço para você e toda tua família.

      Irmão Alex.

      Excluir