segunda-feira, 21 de agosto de 2017

ARQUEOLOGIA E AS DESCOBERTAS EM ZEUGMA



O artigo abaixo foi publicado no site do blog 247 e é da autoria de Luis Pelegrini.

ZEUGMA DOS MOSAICOS. NOVAS DESCOBERTAS NA “POMPEIA TURCA”

No início dos anos 2000, durante as obras de construção da barragem da usina hidrelétrica de Birecik, no sul da Turquia, foram encontradas as ruínas da cidade greco-romana de Zeugma, fundada no século 3 antes de Cristo. Chamados às pressas, os arqueólogos ficaram estupefatos: ante os seus olhos apareceu um dos maiores e mais bem preservados conjuntos de mosaicos greco-romanos de todos os tempos. Superfícies de pisos e paredes inteiramente recobertas por mosaicos feitos com peças de pedras e vidros coloridos com motivos, figuras mitológicas e personagens daquela época, bem como cenas da literatura e do teatro. Há pouco, novas descobertas confirmaram a riqueza do patrimônio artístico de Zeugma.

Por: Luis Pellegrini

Zeugma, às margens do rio Eufrates, revela a enorme influência da arquitetura, da estética e da mitologia gregas na cultura romana, que dominava a região na época em que os mosaicos foram produzidos, por volta do Século 1 depois de Cristo. A antiga cidade de Zeugma, também conhecida como Seleukia-do-Eufrates foi fundada em 300 a.C. por Seleuco – um dos generais de Alexandre, o Grande – que nomeou a cidade em homenagem a si próprio. Em 64 a.C. a cidade foi conquistada pelo Império Romano e teve o seu nome mudado para Zeugma.


Junto à alegria e a admiração despertadas pela grande descoberta, ela também fez com que os arqueólogos fossem tomados por uma grande angústia. Os mosaicos encontram-se a aproximadamente 500 metros do leito do rio e, com a construção da barragem, toda aquela imensa área seria completamente alagada pelas águas do Eufrates, cujo nível, como estava previsto, subiria cerca de 10 centímetros por dia por um período de 6 meses, até que a represa estivesse cheia. Havia total urgência para salvar tudo aquilo que fosse possível, e os trabalhos dos arqueólogos começaram quase que imediatamente.

Uma equipe internacional de arqueólogos liderada pelo professor Kutalmis Gorkay, da Universidade de Ancara, passou a atuar nas escavações nas encostas que ladeiam o rio. E, a cada dia, mais aumentava o estupor: grupos de mosaicos, em ótimo estado de conservação, surgiam em toda a parte, já que naqueles tempos eram utilizados como revestimento de luxo do piso de casas de representantes da elite local, muito provavelmente patrícios romanos (proprietários de terras, comerciantes e proprietários de escravos) que controlavam as magistraturas da política romana em suas colônias.


As escavações descobriram casas, edifícios públicos e praças de mercado, todas decoradas com maravilhosos mosaicos. Foi decidida então a construção de um museu para abrigar, preservar e exibir as peças encontradas. Assim, em 9 de setembro de 2011 foi aberto ao público o Museu de Mosaicos de Zeugma. O museu possui mais de 8 mil metros quadrados com várias salas de exposição e de conferências entre outras instalações. Suas dimensões e a riqueza da coleção que ele abriga superaram as do Museu Nacional Bardo, em Tunis, até então considerado o maior museu de mosaicos do mundo.

As escavações prosseguem até os dias de hoje, ainda lideradas pelo professor Kutalmis Görkay. Como imagens falam muito mais que palavras, oferecemos abaixo uma galeria de fotos de Zeugma e de alguns dos mosaicos nela encontrados. No final, um vídeo documenta a memorável e bem mais recente descoberta da “Casa das Musas”. Realizada por arqueólogos franceses e turcos, os tesouros nela contidos são realmente de tirar o fôlego.



Galeria de imagens


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-1
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-1

Realizados há dois mil anos e ainda quase intactos, os mosaicos de Zeugma continuam sendo descobertos pelos arqueólogos.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-2
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-2

Mosaicos muito ricos, como o da foto, decoravam as casas dos moradores mais abastados de Zeugma. A maior parte das figuras retratadas são de deuses e heróis da mitologia greco-romana.

ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-5

ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-5

“Esses mosaicos eram produzidos pela imaginação dos donos da casa. Eles não eram simplesmente retirados de um catálogo de amostras”, explica o arqueólogo chefe professor Kutalmis Gorkay.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-3
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-3

Cada conjunto de mosaicos era pensado para passar um recado específico ao observador. Por exemplo, se o dono da casa fosse um tipo intelectual, seus mosaicos seriam do tipo daqueles encontrados na Casa das Três Musas.

ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-6

ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-6

A comunidade internacional dos arqueólogos foi fortemente motivada a colaborar com as escavações quando soube que a área de Zeugma seria inundada pela construção de uma represa.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-14
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-14

Parte de mosaico após trabalho de restauro no museu de Zeugma.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-4
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-4

Os gregos deram à cidade o nome de Seleucia, quando ela foi fundada no século 3 antes a. C.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-10
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-10

O Império Romano conquistou a cidade em 64 d.C., mudando o seu nome para Zeugma (que significa “ponte” ou “travessia” em grego).


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-12
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-12

Os romanos dominaram a cidade até o ano 253 d. C., quando ela foi tomada pelos persas da dinastia dos sassânidas.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-7
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-7

Representação de Oceanus e Tethys, duas divindades marítimas greco-romanas.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-9
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-9

Representação de Posseidon, o deus grego do mar, brandindo o seu tridente e conduzindo o seu carro.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-11
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-11

Detalhe de mosaico guardado no museu de Zeugma.


ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-13
ancient-greek-mosaic-excavation-zeugma-13

Esta é uma representação de Tália, a musa grega da poesia.

OUTROS ARTIGOS ACERCA DE DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS












Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

Desde já agradecemos a todos 

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

domingo, 20 de agosto de 2017

ATOS DOS APÓSTOLOS SERMÃO 032 – O INÍCIO DA PERSEGUIÇÃO COINCIDE COM O INICIO DA EXPANSÃO DA PREGAÇÃO DO EVANGELHO


Resultado de imagem para EXPANSÃO DA IGREJA
Império Romano durante o século I da Era Cristã

Esse material é parte de uma série de mensagens pregadas no Livro dos Atos dos Apóstolos. As mensagens cobrem todos os 28 capítulos do Livro de Atos e no final de cada mensagem, você poderá encontrar links para outras mensagens.

Texto: Atos 8:1—4
Introdução

A. As histórias de Estevão e Filipe são apresentadas de modo sequencial no livro de Atos.  

B. Devemos notar algumas similaridades e contrastes entre os dois:

1. Ambos pertenciam ao grupo de homens eleitos pela igreja para servir as mesas na distribuição diária — ver Atos 6:5.

2. Os dois eram pregadores evangelistas — ver Atos 6:10 e 8:5.

3. Estevão era mais polemista e apologético e por isso estava sujeito a sofrer violências. Foi apedrejado como vimos na mensagem anterior.

4. Filipe era mais irenista e, aparentemente não tinha interesse em polêmicas. Ainda estava vivo, 20 anos depois, conforme Atos 21:8.

5. Os dois eram capazes de praticar atos portentosos como confirmação da palavra pregada — ver Atos 6:8; 8:6.

6. Os dois contribuíram para pavimentar o caminho para a expansão do Evangelho:

7. Estevão contribuiu com seus ensinamentos acerca do Templo, da Lei e de Jesus Cristo.

8. Filipe contribuiu evangelizando os Samaritanos e um Etíope – veremos isso nas próximas mensagens.

C. Esses dois grupos são emblemáticos:

1. Os samaritanos eram considerados heréticos, além de uma raça misturada e eram odiados pelos judeus.

2. Os Etíopes eram considerados moradores do “fim do mundo”, as últimas pessoas pelas quais o Deus que habitava em Jerusalém teria qualquer tipo de interesse.

D. Atos 8 está preocupado com a evangelização dos povos. Esse é o motivo porque Lucas usa dois termos distintos para descrever esse progresso:

1. Em Atos 4:2 Lucas diz que os apóstolos καταγγέλλειν kattangélein —anunciavam em Jesus a ressurreição.

2. Em Atos 8:5, Lucas nos diz que Filipe anunciava-lhes a Cristo, mas aqui a palavra grega usada é ἐκήρυσσεν ekérussen — descreve o ato de proclamar como um arauto. Pode também descrever o ato de fazer uma pregação como em Atos 5:42.

3. Mas em Atos 8:12, 25, 35, 40 Lucas usa um novo termo εὐηγγελίσατο euengelísato — evangelizou.

E. Nos primeiros 4 versos de Atos 8, Lucas nos parece interessado em chamar nossa atenção para uma cadeia tripla de causas e efeitos, que estão, intimamente ligados com

 A EXPANSÃO DO EVANGELHO NOS PRIMEIROS DIAS.

I. A Morte de Estevão Produziu uma Grande Perseguição

A. A morte de Estevão foi apenas o início do processo de perseguição.

B. Todavia, devemos destacar que mesmo em meio à perseguição, alguns homens demonstraram imensa coragem ao tomarem e sepultarem o corpo de Estevão, deplorando profundamente a injustiça com que fora tratado — verso 3.

C. A perseguição por outro lado continuava:

1. Todos os cristãos foram dispersos de Jerusalém, com exceção dos apóstolos – verso 1.

2. A intenção de Paulo e de outros não era outra senão destruir a igreja por completo. Lucas usa a expressão ἐλυμαίνετο elumaíneto — assolar, devastar, arruinar. Incluídos nessa palavra estão os conceitos de brutalidade e crueldade sadística – verso 3

3. Seu desejo era liquidar a seita cristã, matando seus seguidores — ver Atos 9:1; 22:4; 26:10.

4. Saulo certamente estava com as mãos encharcadas com o sangue dos cristãos.

II. A Perseguição Causou uma Grande Dispersão

A. Jesus havia dito que sua igreja deveria ir pregando o Evangelho, começando em Jerusalém, e, através da Judéia, chegar até Samaria e daí, até os confins do mundo — ver Atos 1:8.

B. A perseguição aos cristãos era o método divino para fazer cumprir a grande comissão.

C. Nesse sentido, o sermão de Estevão era realmente profético, pois a partir dessa perseguição, Jerusalém e seu glorioso templo vão ficando cada vez mais distantes à medida que Jesus, juntamente com seu povo se afastam daquele lugar.

D. Nenhum tipo de culpa é colocado sob os apóstolos por terem ficado em Jerusalém. De fato era importante que eles ali ficassem para manter os vínculos entre o judaísmo e a nova fé em Cristo como uma continuação entre a Antiga e a Nova Aliança.

 III. A Dispersão por Sua Vez Causou uma Enorme Propagação do Evangelho

A. Os que foram dispersos iam por toda parte pregando o Evangelho — versos 4.

B. Até aqui, somente os apóstolos pregavam o evangelho e alguns evangelistas como Estevão e Filipe. Agora, essa é missão de todos os que foram dispersos.

C. A palavra usada para “pregando” a palavra é εὐαγγελιζόμενοι eúangelizómenoi — que quer dizer apenas “trazer ou compartilhar as boas novas”.

Conclusão

A. Falamos de como Lucas usou a expressão “evangelizou” cinco vezes em Atos 8. Isso é um excelente lembrete para todos nós:

1. Devemos estar sempre envolvidos no processo de evangelizar, i.e., no processo de compartilhar as boas novas acerca de Jesus com todas as pessoas sempre que uma oportunidade de nos oferecer — ver

2 Timóteo 4:2

Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.

2. Temos que nos lembrar que não pode haver evangelismo sem que exista um evangelho ou boas novas.

3. E o evangelho que temos para anunciar não existe sem a pessoa de Jesus Cristo e o que ele veio fazer a nosso favor e em nosso lugar.

4. Evangelismo efetivo e eficiente só acontece quando a igreja se concentra em evangelizar quando está espalhada, munida de uma confiança de felicidade na verdade contida na mensagem acerca de Jesus, ao mesmo tempo em que experimenta e confia em sua — do evangelho — relevância e poder.

B. Mas é impossível evangelizar quando estamos desatentos, desinteressados e mais preocupados na manutenção de nossos pequenos feudos e melindres uns com os outros.

C. Vamos entender dois princípios básicos aqui:

1. Todas as vezes que a igreja se reúne ela se reúne para se edificar. Esse é o motivo por que cada um de nós precisa se envolver nesse processo de edificação da igreja. Deus concedeu a cada membro, pelo menos um dom que deve ser usado para bem comum.

2. Primeira coisa a fazer é vir. Vir sempre e com a disposição de participar de se envolver – ver 
Hebreus 10:25.

3. Segunda coisa é se dispor a usar o dom que Deus te concedeu para o bem comum – ver 1 Pedro 4:10; 1 Coríntios 12:7.

4. Agora, quando nos dispersamos, nossa missão como igreja continua: nosso trabalho é compartilhar as boas novas do Evangelho com todos os que entramos em contato.

5. Precisamos compartilhar o evangelho de forma natural, por genuíno amor e interesse pelas pessoas. Não pode ser algo formal. Quanto mais informal, mais irá funcionar.

6. Está nas mãos, nas bocas e nos corações de vocês, compartilharem, espontaneamente, as boas novas acerca de Jesus. Acerca do perdão e da reconciliação com Deus. Acerca da comunhão dos crentes aqui e durante a vida eterna, etc.

Que o Deus Sábio e Todo Poderoso, nos conduza em nossas vidas:

Que ele nos ajude a edificar uns aos outros.

Que nos ajude a alcançar muitos e muitos que precisam da salvação em Jesus hoje mesmo.

OUTRAS MENSAGENS DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS

SERMÃO 001 — INTRODUÇÃO AO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS — Lucas 1:1—4 e Atos 1:1—2

SERMÃO 002 — INTRODUÇÃO AO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS — PARTE 2 — Lucas 1:1—4 e Atos 1:1—2

SERMÃO 003 — A TRANSIÇÃO DO VOLUME ANTERIOR — Atos 1:1—5

SERMÃO 004 — A NOVA DIREÇÃO EXPLICADA — Atos 1:6—8

SERMÃO 005 — A ASCENSÃO DE JESUS — Atos 1:9—11

SERMÃO 006 — PERSEVERANDO UNÂNIMES — Atos 1:12—26

SERMÃO 007 — O DIA DO PENTECOSTES – PARTE 001 — Atos 2:1—4

SERMÃO 008 — O DIA DO PENTECOSTES – PARTE 002 — Atos 2:5—15

SERMÃO 009 — A PROFECIA DE JOEL — Atos 2:14—21

SERMÃO 010 — O PRIMEIRO SERMÃO — PARTE 001 — Atos 2:22—36

SERMÃO 011 — O PRIMEIRO SERMÃO — PARTE 002 — Atos 2:37—41

SERMÃO 012 — A VIDA DOS PRIMEIROS CRISTÃOS — Atos 2:42—47

SERMÃO 013 — A VIDA DOS PRIMEIROS CRISTÃOS — Atos 2:42—47 — PARTE 002

SERMÃO 014 — A CURA DE UM PARALÍTICO DE NASCENÇA — Atos 3:1—10

SERMÃO 015 — A EXALTAÇÃO DE JESUS E A CONDENAÇÃO DOS HOMENS — Atos 3:11—21

SERMÃO 016 — SALVAÇÃO E REFRIGÉRIO: BÊNÇÃOS DAS DUAS VINDAS DE JESUS— Atos 3:17—21

SERMÃO 017 — JESUS CUMPRE AS PROFECIAS DO ANTIGO TESTAMENTO — Atos 3:22—26

SERMÃO 018 — INÍCIO DAS PERSEGUIÇÕES — Atos 4:1—22

SERMÃO 019 — A IGREJA ORA EM COMUNHÃO — Atos 4:23—31

SERMÃO 020 — A IGREJA VIVE EM COMUNHÃO — Atos 4:32—37

SERMÃO 021 — ANANIAS E SAFIRA — Atos 5:1—11

SERMÃO 022 — A COMUNIDADE DOS CRENTES — Atos 5:12—16

SERMÃO 023 — PRISÃO, JULGAMENTO, AÇOITES = ALEGRIA E O PARECER DE GAMALIEL — Atos 5:17—42

SERMÃO 024 — DIVERSIDADE DE DONS = CRESCIMENTO DA IGREJA — Atos 6:1—7

SERMÃO 025 — UM HOMEM CHAMADO ESTÊVÃO — Atos 6:8—12

SERMÃO 026 — ACUSAÇÕES CONTRA UM HOMEM HONESTO — Atos 6:13—15

SERMÃO 027 — A DEFESA DE ESTÊVÃO E O DEUS DA GLÓRIA — Atos 7:1—8
SERMÃO 028 — A DEFESA DE ESTÊVÃO E A MOBILIDADE DE DEUS — Atos 7:9—16

SERMÃO 029 — A DEFESA DE ESTEVÃO — A Importância da Obediência — Parte 3 — Atos 7:17—43

SERMÃO 030 — A DEFESA DE ESTEVÃO — Três Acusações Devastadoras — Parte 4 — Atos 7:44—53

SERMÃO 031 — A DEFESA DE ESTEVÃO — Perseguição e Morte — Parte 5 — Atos 7:54—60

SERMÃO 032 – O INÍCIO DA PERSEGUIÇÃO COINCIDE COM O INICIO DA EXPANSÃO DA PREGAÇÃO DO EVANGELHO — Atos 8:1—4
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2017/08/atos-dos-apostolos-sermao-032-o-inicio.html

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A VIDA DE DAVI - SERMÃO 020 – COMO O PECADO NOS SUFOCA — PARTE 4


Imagem relacionada

Esse artigo é parte da série "Exposição da Vida de Davi" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa exposição, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará um link para outros estudos dessa série.

Texto: 1 Samuel 17—20
Introdução.

A. Durante as três últimas mensagens dessa série nós começamos a falar e a expandirmos os conceitos acerca de como o pecado, se deixarmos com que o mesmo corra seu livre curso, acaba nos sufocando completamente.
B. Para isso nós estamos vendo uma passagem na vida de Davi que se estende por alguns capítulos de 1 Samuel.
C. Na última mensagem nós falamos acerca de como a prática do pecado:
1. Trouxe um alívio temporário para a perseguição que Davi estava sofrendo da parte de Saul que já durava 8 anos.
2. Trouxe a aceitação de Davi por parte do mundo ao seu redor.
3. Davi cresceu em popularidade e começou a ser procurado por pessoas que queriam se associar a ele.
D. Hoje, finalmente, queremos falar de
COMO O PECADO SEMPRE NOS ALCANÇA
Já na Lei de Moisés, encontramos essas sóbrias palavras, acerca das consequências dos nossos pecados:
Números 32:23
Porém, se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o SENHOR; e sabei que o vosso pecado vos há de achar.
I. Uma Situação Comprometedora.
1 Samuel 28:1—2 e 1 Samuel 29:1—2
A. Davi? O homem que havia matado o gigante filisteu da cidade de Gate que estava humilhando o exército de Deus; o homem que não conseguiu levantar sua própria mão para matar e se livrar, definitivamente, de Saul, e isso por duas vezes. Davi? O Ungido do Deus de Israel está agora irremediavelmente associado com Aquis o rei dos filisteus, se preparando para guerrear contra os exércitos de Israel, o que incluía seu grande amigo Jônatas. Isso tudo parece incrível. Mas é a triste realidade do que o pecado é capaz de fazer em nossas vidas.
B. Davi decidiu jogar um jogo arriscado baseado na falsidade e na mentira e agora, ele havia caído na própria armadilha que havia montado. É possível que Davi tivesse vacilado um pouco, mas ele não poderia recusar servir o rei de Gate, sob a pena de colocar em risco a vida de seus homens e suas famílias, bem como sua própria vida e de sua família!
C. Mas, nesse momento, como sempre, a graça de Deus se manifestou soberana! Aleluia. Os outros reis da confederação dos filisteus levantaram uma questão muito importante:
1 Samuel 29:3
Disseram, então, os príncipes dos filisteus: Estes hebreus, que fazem aqui? Respondeu Aquis aos príncipes dos filisteus: Não é este Davi, o servo de Saul, rei de Israel, que esteve comigo há muitos dias ou anos? E coisa nenhuma achei contra ele desde o dia em que, tendo desertado, passou para mim, até ao dia de hoje.
D. Sempre que um crente começa a andar de forma mundana os ímpios percebem a inconsistência representada por tal situação. Muitas vezes eles nos perguntam: você não é crente? Então o que você está fazendo aqui? Isso é a graça de Deus meus irmãos e irmãs, nos dando um empurrão para sairmos daquela situação de pecado.
E. Por isso os príncipes dos filisteus não aceitaram a presença de Davi no meio deles e Davi foi então dispensado pelo rei Aquis de Gate. Maravilhosa graça.
1 Samuel 29:4
Porém os príncipes dos filisteus muito se indignaram contra ele; e lhe disseram: Faze voltar este homem, para que torne ao lugar que lhe designaste e não desça conosco à batalha, para que não se faça nosso adversário no combate; pois de que outro modo se reconciliaria como o seu senhor? Não seria, porventura, com as cabeças destes homens?
F. Mas não se iluda. Davi ainda precisava colher o que havia semeado, e é isso que iremos ver em seguida.
II. O Pecado Manifesta Suas Consequências Terríveis
A. Davi então retorna para Ziclague onde se defronta com a conta, que, finalmente, seu pecado lhe apresenta:
1 Samuel 30:1—6
1  Sucedeu, pois, que, chegando Davi e os seus homens, ao terceiro dia, a Ziclague, já os amalequitas tinham dado com ímpeto contra o Sul e Ziclague e a esta, ferido e queimado;
2  tinham levado cativas as mulheres que lá se achavam, porém a ninguém mataram, nem pequenos nem grandes; tão-somente os levaram consigo e foram seu caminho.
3  Davi e os seus homens vieram à cidade, e ei-la queimada, e suas mulheres, seus filhos e suas filhas eram levados cativos.
4  Então, Davi e o povo que se achava com ele ergueram a voz e choraram, até não terem mais forças para chorar.
5  Também as duas mulheres de Davi foram levadas cativas: Ainoã, a jezreelita, e Abigail, a viúva de Nabal, o carmelita.
6  Davi muito se angustiou, pois o povo falava de apedrejá-lo, porque todos estavam em amargura, cada um por causa de seus filhos e de suas filhas; porém Davi se reanimou no SENHOR, seu Deus.
B. Quando Davi e seus homens partiram de Ziclague deixaram suas mulheres e filhos seguros. Pelo menos era assim que eles pensavam.
C. Mas quando chegaram de volta: Surpresa!  
D. O resultado não poderia ter sido mais devastador — note o verso 4 —, além de não encontrarem ninguém, acharam apenas as cinzas de suas casas!. Davi, o herói estava a ponto de ser apedrejado!
E. Quero deixar algo bem claro aqui: a graça de Deus não nos protege de colhermos o que plantamos. Por mais de um ano Davi atacou aqueles povos e agora estava colhendo os frutos amargos de sua arrogância e de ter se esquecido de Deus, conforme 1 Samuel 27:1.
F. Davi estava passando, exatamente pelo que Paulo disse em —
Gálatas 6:7—8
7 Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.
8 Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.
D. Note a velocidade como os prazeres mundanos se evaporam. O que Davi achava o máximo — sua própria cidade, um lugar para chamar de lar — agora totalmente destruído e pior, seus familiares levados como escravos e sujeitos a serem torturados, escravizados e mortos.
E. E agora Davi? Valeu à pena virar as costas e se esquecer do cuidado e da proteção de Deus? O que vocês acham?
F. Por favor, entendam que tudo isso é parte da graça de Deus. Ele nos deixa colher o que plantamos, na esperança que possamos aprender as lições que precisamos aprender, de tal maneira que não cometamos mais os mesmos erros.
III. Davi se Volta Novamente para Deus
1 Samuel 30:6
Davi muito se angustiou, pois o povo falava de apedrejá-lo, porque todos estavam em amargura, cada um por causa de seus filhos e de suas filhas; porém Davi se reanimou no SENHOR, seu Deus.
A. Despertado da sua arrogância, Davi finalmente entende a graça de Deus e procura no Senhor o verdadeiro ânimo para enfrentar aquela e qualquer outra situação.
B. Se tivermos paciência, sempre veremos que Deus tem o melhor para nós. De fato Paulo nos diz o seguinte —
1 Coríntios 2:9
Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.
Conclusão:
A. Davi estava sendo perseguido por Saul fazia 8 anos. Mas não era a perseguição que era importante. Importante era o fato de que naqueles 8 anos, Deus havia protegido Davi de sofrer qualquer ferimento da parte de Saul e de seus homens!
B. Davi recebeu o reconhecimento do mundo ao seu redor, mas o importante mesmo é sermos reconhecidos pelo próprio Deus e ouvir essas palavras:
Mateus 25:21
Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
C. Davi havia se tornado muito popular, mas o que importa mesmo são as palavras de Jesus, quando diz:
Mateus 10:22
Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo.   
D. Lembre-se que as situações pelas quais passamos são todas transitórias. Se ficarmos unidos a Deus ele ira nos ajudar, ainda que sua graça, muitas vezes nos discipline ou permita que alguma espécie de mal nos atinja.
E. Mas devemos saber que tudo isso é para o nosso bem. É como diz o salmista —
Salmos 119:67
Antes de ser afligido, andava errado, mas agora guardo a tua palavra.
E. Que possamos aprender com o exemplo de Davi e saber com certeza que quando viramos as costas para Deus e flertamos com o pecado, um dia, certamente, seremos confrontados ou achados pelos pecados que cometemos.
F. Que Deus tenha misericórdia de nós e nos guarde de cometermos esse tipo de desatino.

OUTROS ESTUDOS ACERCA DA VIDA DE DAVI
001— Um Homem Segundo o Coração de Deus — Parte 1
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2013/10/a-vida-de-davi-um-homem-segundo-o.html

002— Um Homem Segundo o Coração de Deus — Parte 2
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2013/11/a-vida-de-davi-um-homem-segundo-o.html
003— Um Homem Segundo o Coração de Deus — Parte 3
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2013/12/a-vida-de-davi-um-homem-segundo-o.html
004— Um Homem Segundo o Coração de Deus — Parte 4
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2014/01/a-vida-de-davi-um-homem-segundo-o.html

009 — Vencendo os Gigantes em Tua Vida — Parte 5
019 — Como o Pecado Nos Sufoca — Parte 3

Que o Senhor abençoe a todos.
Alexandros Meimaridis
PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:
Desde já agradecemos a todos.
Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.