domingo, 31 de agosto de 2014

MARINA RETIRA APOIO A CASAMENTO GAY DE SEU PROGRAMA DE GOVERNO


A notícia abaixo foi publicada pelo site G1 de Brasília.

Campanha de Marina tira do programa apoio a casamento gay

Partido diz que documento não retratou com 'fidelidade' posição sobre tema.

PSB afirma ter compromisso 'irrestrito' com defesa dos direitos LGBT.

Do G1, em Brasília

Trecho que trata do casamento gay que a campanha de Marina Silva decidiu suprimir do programa de governo (Foto: Reprodução)

Trecho que trata do casamento gay que a campanha de Marina Silva decidiu suprimir do programa de governo (Foto: Reprodução)

Um dia depois de divulgar o programa de governo da candidata, a campanha da presidenciável Marina Silva (PSB) decidiu retirar trecho que manifestava apoio a propostas para legalizar o casamento igualitário no Brasil, que permite a união entre pessoas do mesmo sexo. Além disso, foi eliminada defesa de um projeto em tramitação no Congresso que criminaliza a homofobia.

Os dois pontos estavam num capítulo sobre os direitos da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais) e foram substituídos pela seguinte redação: "Garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo".

Em nota divulgada neste sábado (30), a assessoria da campanha informou que o texto inicialmente divulgado, "infelizmente, não retrata com fidelidade os resultados do processo de discussão sobre o tema durante as etapas de formulação do plano de governo" e diz que uma "falha processual na editoração" da versão do programa divulgada na internet e em exemplares impressos permitiu a veiculação de uma redação "que não contempla a mediação entre os diversos pensamentos que se dispuseram a contribuir para sua formulação e os posicionamentos de Eduardo Campos e Marina Silva a respeito da definição de políticas para a população LGBT".

No documento divulgado na internet e distribuído à imprensa, constava o seguinte trecho: "Apoiar propostas em defesa do casamento civil igualitário, com vistas à aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário na Constituição e no Código Civil".

Também havia a defesa do PLC 122/2006, que equipara a discriminação contra gays aos crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. A proposta, feita em 2006 e atualmente em tramitação no Senado, sofre forte resistência da comunidade evangélica.

Segundo informou ao G1 a assessoria da campanha, serão substituídas as páginas e 215 e 216 do programa, que abordam os direitos LGBT e tratam do casamento gay.

Atualmente, uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle externo das atividades do Judiciário, obriga os cartórios a cumprirem a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de maio de 2011, de realizar a união estável de casais do mesmo sexo. Além disso, obrigou a conversão da união em casamento e também a realização direta de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Porém, não há nenhuma lei no país que regulamente o assunto.

De acordo com a nota divulgada neste sábado pela campanha, "a sociedade tem muita dificuldade em lidar com as diferentes visões de mundo, de forma de viver e de escolhas feitas pelas pessoas". A nova versão do programa de governo de Marina Silva diz ainda que os grupos LGBT estão entre as minorias que têm direitos civis que precisam ser respeitados.

“Apesar desse contratempo indesejável [no programa de governo], tanto no texto com alguns equívocos como no correto, permanece irretocável o compromisso irrestrito com a defesa dos direitos civis dos grupos LGBT e com a promoção de ações que eduquem a população para o convívio respeitoso com a diferença e a capacidade de reconhecer os direitos civis de todos", afirma a nota.

Nesta sexta-feira (29), durante o lançamento do programa de governo em São Paulo, Marina Silva foi questionada sobre o apoio a projetos de lei que garantam o direito de casamento entre pessoas do mesmo sexo, Ela disse respeitar e defender o Estado laico e afirmou que, como presidente, terá o compromisso de assegurar direitos civis para "todas as pessoas".

“O nosso compromisso é que os direitos civis das pessoas sejam respeitadas. Queremos o respeito através do Estado laico tanto para os que creem quanto os que não creem. As pessoas têm sua liberdade individual e essa liberdade individual deve ser respeitada", disse.

Em 2010, ano em que disputou pela primeira vez a Presidência, Marina afirmou que, na opinião dela, o casamento é um "sacramento" e que aceitar a união entre pessoas do mesmo sexo iria contra suas convicções religiosas. Apesar disso, na ocasião, se disse a favor da “união de bens” entre homossexuais.

Ainda nesta sexta, horas após a divulgação do programa, a campanha de Marina também corrigiu outro trecho que mencionava a energia nuclear como um dos pontos que merecem atenção para o aperfeiçoamento da matriz energética do país.

Nota

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada neste sábado pela campanha de Marina Silva.

NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE O CAPÍTULO "LGBT", DO PROGRAMA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO UNIDOS PELO BRASIL

O texto do capítulo "LGBT", do eixo "Cidadania e Identidades", do Programa de Governo da Coligação Unidos pelo Brasil, que chegou ao conhecimento do público até o momento, infelizmente, não retrata com fidelidade os resultados do processo de discussão sobre o tema durante as etapas de formulação do plano de governo (comentários pela internet sobre as diretrizes do programa, encontros regionais e as dinâmicas de escuta da sociedade civil promovidas pela Coordenação de Programa de Governo e pelos candidatos à Presidência pela Coligação).

Em razão de falha processual na editoração, a versão do Programa de Governo divulgada pela internet até então e a que consta em alguns exemplares impressos distribuídos aos veículos de comunicação incorporou uma redação do referido capítulo que não contempla a mediação entre os diversos pensamentos que se dispuseram a contribuir para sua formulação e os posicionamentos de Eduardo Campos e Marina Silva a respeito da definição de políticas para a população LGBT.

Convém ressaltar que, apesar desse contratempo indesejável, tanto no texto com alguns equívocos como no correto, permanece irretocável o compromisso irrestrito com a defesa dos direitos civis dos grupos LGBT e com a promoção de ações que eduquem a população para o convívio respeitoso com a diferença e a capacidade de reconhecer os direitos civis de todos.

Os brasileiros e as brasileiras interessados em conhecer as verdadeiras ideias defendidas pelos candidatos da Coligação Unidos pelo Brasil para a Presidência da República, Marina Silva e Beto Albuquerque, já o podem fazer por meio do site marinasilva.org.br ou pelos exemplares impressos que serão distribuídos a partir de hoje.

O documento que expressa as reais propostas da chapa para o capítulo "LGBT" também pode ser lido abaixo:

LGBT

Ainda que tenhamos dificuldade para admitir, vivemos em uma sociedade que tem muita dificuldade de lidar com as diferenças de visão de mundo, de forma de viver e de escolhas feitas em cada área da vida. Essa dificuldade chega a assumir formas agressivas e sem amparo em qualquer princípio que remeta a relações pacíficas, democráticas e fraternas entre as pessoas.

Nossa cultura tem traços que refletem interesses de grupos que acumularam poder enquanto os que são considerados minoria não encontram espaços de expressão de seus interesses. A democracia só avança se superar a forma tradicional de supremacia da maioria sobre a minoria e passar a buscar que todos tenham formas dignas de se expressar e ter atendidos seus interesses. Os grupos LGBT estão entre essas minorias que têm direitos civis que precisam ser respeitados, defendidos e reconhecidos, pois a Constituição Federal diz que todos são iguais perante a lei, independentemente de idade, sexo, raça, classe social. Assim como em relação às mulheres, aos idosos e às crianças, algumas políticas públicas precisam ser desenvolvidas para atender a especificidade das populações LGBT.

A violência que chega ao assassinato, vitima muitos dos membros dos grupos LGBT. Dados oficiais indicam que, entre 2011 e 2012, os crimes contra esse grupo aumentaram em 11% em nosso país. Outros sofrem tanto preconceito que abandonam a escola e abrem mão de toda a oportunidade que a educação pode dar, o que também, de certa forma, corresponde a uma expressão simbólica de morte.

É preciso desenvolver ações que eduquem a população para o convívio respeitoso com a diferença e a capacidade de reconhecer os direitos civis de todos.

Para assegurar direitos e combater a discriminação:

1. Garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo.

2. Aprovado no Congresso Nacional o Projeto de Lei da Identidade de Gênero Brasileira – conhecida como a Lei João W. Nery – que regulamenta o direito ao reconhecimento da identidade de gênero das “pessoas trans”, com base no modo como se sentem e veem, dispensar a morosa autorização judicial, os laudos médicos e psicológicos, as cirurgias e as hormonioterapias.

3. Como nos processos de adoção interessa o bem-estar da criança que será adotada, dar tratamento igual aos casais adotantes, com todas as exigências e cuidados iguais para ambas as modalidades de união, homo ou heterossexual.

4. Normatizar e especificar o conceito de homofobia no âmbito da administração pública e criar mecanismos para aferir os crimes de natureza homofóbica.

5. Incluir o combate ao bullying, à homofobia e ao preconceito no Plano Nacional de Educação.

6. Garantir e ampliar a oferta de tratamentos e serviços de saúde para que atendam as necessidades especiais da população LGBT no SUS.

7. Assegurar que os cursos e oportunidades de educação e capacitação formal considerem os anseios de formação da população LGBT para garantir ingresso no mercado de trabalho.

8. Considerar as proposições do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT na elaboração de políticas públicas específicas para populações LGBT.

O artigo original do site do G1 de Brasília poderá ser visto por meio do seguinte link:


Nosso comentário:

Acreditamos que uma sociedade democrática e não uma teocracia, deve ser regida pela vontade manifesta da maioria, envidando todos os esforços para proteger os direitos — não privilégios — das minorias.

As pessoas são livres para escolher seus caminhos, mas terão que responder por suas decisões tanto no tempo como na eternidade.

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

6 comentários:

  1. JOEL CARVALHO - DF1 de setembro de 2014 07:17

    Conhecendo bem o que de fato pretende o movimento gay no Brasil e no mundo, fica muito difícil acreditar que eles queiram apenas direitos iguais. Está muito claro no ativismo gay que, a intenção clara e inequívoca é também transformar a sociedade em uma sociedade gay, onde a exceção seria a heterossexualidade.
    Já li bastante sobre o ativismo gay norte-americano, inspirador do mesmo segmento no Brasil, e aqui eles rezam pela mesma cartilha.
    Aqui mesmo em Brasília, na UnB, onde estudei, havia(não sei se ainda há) um professor, o qual escreveu artigo pró-pedofilia voltada a garotos, e ainda tinha o despautério de pedir respeito, pois segundo ele, isso era um artigo "científico". O NOJENTO E ASQUEROSO ARTIGO tem por título "Amando Garotos: Pedofilia e a Intolerância Contemporânea".
    O sujeito é tão hediondo que chega a nominar de intolerantes quem pensa diferente disso.
    Esse sujeito jamais recebeu qualquer advertência de qualquer órgão fiscalizador brasileiro.
    Eu mesmo cheguei a enviar esse artigo para a PF e alguns parlamentares, sugerindo notificação ao MPF. Mas esses órgãos estão atentos à aplicação da lei apenas a quem ousar contraditar esse tipo de ativismo, intimidando pessoas e acossando-as de homofóbicas, caso se posicionem contra isso.

    Em razão do ativismo gay, que é o que de fato move esse segmento, é que sou contra a essas conquistas, que manifestamente tem sim se tornado em privilégios.

    Criaram e criam números mentirosos, por exemplo, em relação à morte de pessoas desse segmento, como se todas fossem vítimas de homofobia, quando na verdade, há um sem número não contabilizado entre eles mesmos por razões passionais. Infelizmente, nossa mídia não divulga isso. Mas, uma breve pesquisa isenta nas delegacias de polícia desmascara esses dados.

    É claro que a maioria dos gays(LGBTs) são apenas massa de manobra do SINDICALISMO GAY, muito forte no Brasil. Mas, se alguém ousar apontar os crimes que eles cometem, tanto quanto os héteros, logo é chamado de homofóbico. Assim, cria-se sob o temor de ser acusado de homofobia, uma malha protetora sobre criminosos desse segmento, que em nada se diferenciam dos héteros, apenas na superproteção legal que está sendo criada. Por ora, com o sepultamento momentâneo do PLC 122, ainda não assistimos legalmente a uma perseguição estatal aos contrários, mas tacitamente em alguns casos, e concretamente em outros isso ocorre.

    FONTES: http://pt.scribd.com/doc/119512537/Denilson-Lopes-Pedofilia-e-Intolerancia-Contemporanea

    http://www.clickpb.com.br/noticias/policial/delegada-explica-que-nem-todo-crime-contra-homossexuais-e-homofobico-e-discorda-do-mel/

    http://ohomossexualismo.blogspot.com.br/2013/04/lesbica-mata-rapaz-por-este-se-recusar.html

    PODERIA elencar um sem número de notícias que desmentem o posto de nº 1 em vitimização desse segmento. Mas, basta olharmos para as estatísticas, que mostram as milhares de mulheres mortas a cada ano no Brasil, para termos a certeza que a violência de gênero tem endereço certo no Brasil: AS MULHERES.
    A morte de qualquer pessoa é inadmissível, mas se autoproclamar como a principal vítima de uma sociedade violenta, como querem os gays, isso é desonestidade.

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Joel.

    Qualquer leitor minimamente informado sabe que na vasta maioria, os assassinatos dos adeptos da homossexualidade são praticados por eles mesmos. Um ou outro caso trata-se de verdadeira homofobia.

    Agora no caso das MULHERES é como você disse: trata-se da verdadeira violência de gênero.

    E mais, as pessoas não falam, mas cerca de 40% de toda violência praticada no país tem como alvo prioritário os HOMENS, na sua esmagadora maioria, heterossexuais.

    Abraço,

    irmão Alex

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JOEL CARVALHO - DF1 de setembro de 2014 16:51

      Irmão Alex,

      Quero deixar claro, não só para ti como também para outros leitores que, não tenho ojeriza a homossexuais.
      Já tive como amigo um colega universitário, o qual sofria muito por sua situação, ao que parece, por razões de abuso, mas que ele nunca chegou a confidenciar, embora já tivesse dito para outro colega mais chegado, que um dia iria contar porque estava naquela condição. Era uma pessoa respeitosa, e por isso mesmo era querido por quase todos os colegas, esmagadoramente héteros. Impunha-se pela inteligência e não por sua condição, como querem os ativistas gays.

      Esse amigo, morreu assassinado a facadas pelo próprio namorado. Mas isso sempre entra nas estatísticas como homofobia. Nem a imprensa nem os ativistas querem saber os detalhes. Apenas rotulam como homofóbicos quaisquer danos sofridos por esse segmento social.

      Quando digo que esse rapaz era meu amigo, não estou exagerando. Embora essa amizade estivesse muito restrita ao ambiente acadêmico, nunca tive problemas nem receio de ser alvo de conversas maldosas por parte de pessoas preconceituosas, pois sabia que ele precisava de ajuda e não de apedrejamentos. O problema, como já disse, são os sindicalistas do ativismo gay, que tornam pessoas dignas de compreensão e alvos do amor de Deus, muitas vezes mal vistas.
      Mas, para nós que temos discernimento, cabe-nos separar os ativistas dos comuns cidadãos, diferentes sim de nós héteros, mas tão carentes de serem alcançados pela Graça de Deus.

      Excluir
    2. Caro Joel,

      Em nenhum momento eu percebi que você tenha escrito algo em que você fizesse uma distinção entre os adeptos da homossexualidade e outras pessoas. Se alguém entendeu assim, entendeu o que quis entender. Mas no teu texto não havia nada que pudesse levar à essa compreensão do que você escreveu.

      Minha posição também é essa. Eu não considero os adeptos da homossexualidade como maiores pecadores do que os adúlteros por exemplo. Domingo à noite eu disse para a igreja que existem bem mais adúlteros dentro das igrejas do que adeptos da homossexualidade. Mas o adultério é tolerado enquanto a homossexualidade é execrada. Ora isso não passa de uma grande hipocrisia!

      Todos são pecadores e precisam se arrepender de seus pecados e mudar seus modos de viver com a graça de Deus.

      Em vários artigos que escrevi eu denuncio essa hipocrisia. Até hoje nenhum adeptos da homossexualidade me escreveu nem uma linha sequer para me chamar de homofóbico, porque creio que eles entendem a diferença entre o que eu escrevo e outros. Para mim eles são seres humanos como outros qualquer. Precisam da graça de Deus como outros seres humanos quaisquer, como eu e você também precisamos.

      Abraço fraterno,

      irmão Alex

      Excluir
    3. JOEL CARVALHO - DF2 de setembro de 2014 13:09

      Caro irmão Alex,

      Falou tudo!

      E o pior, boa parte dos principais adúlteros no meio religioso, e falo dos evangélicos, estão ocupando púlpitos, infelizmente.

      Excluir
    4. Caro Joel,

      Com certeza. Isso apenas aumenta o nível de hipocrisia que mencionamos anteriormente.

      Abraço,

      irmão Alex

      Excluir