segunda-feira, 24 de julho de 2017

CONFORTO PARA CORAÇÕES AFLITOS SERMÃO 004 — JESUS É DEUS — PARTE 001


Resultado de imagem para eu e o pai somos um

Esta é uma série que trata do maravilhoso tema de como Jesus conforta seus discípulos em meio às tribulações dessa vida. Ao compartilhar esses estudos nossa intenção é que todos possam encontrar em Jesus, o conforto necessário para todas suas tribulações.

Texto: João 14:7—11
Introdução.

A. Nessa série estamos tratando do conforto que Jesus ofereceu para os seus discípulos logo depois de ter dito a eles que iria partir e deixá-los.
B. As palavras de Jesus criaram uma profunda impressão de perturbação na mente dos discípulos. Elas também lançaram os discípulos numa enorme confusão mental.
C. Para resolver esses problemas enfrentados pelos discípulos — perturbação e confusão mental — Jesus disse para eles as seguintes verdades:
1. Eles precisavam confiar na Presença de Jesus com eles, independentemente, se eram ou não capazes de enxergá-lo. Os discípulos tinham que exercitar a fé.
2. Eles precisavam confiar nas Promessas de Jesus. Ou seja, os discípulos precisavam exercer fé nas palavras de Jesus.
3. Eles precisavam confiar na pessoa do Senhor Jesus. Isto é, os discípulos precisavam depositar confiança naquilo que Jesus disse acerca de si mesmo: Que Ele era o Caminho, a Verdade e a Vida.
D. Essas orientações do Senhor Jesus deveriam ser suficientes tanto para acalmar os corações perturbados dos discípulos, como para desfazer a confusão mental em que os mesmos se encontravam.
E. Mas infelizmente, não foi isso o que aconteceu. Os discípulos continuavam perturbados e confusos. Isso fica claramente demonstrado pela sequência narrada no Evangelho de João. Hoje queremos ver outra pergunta levantada por um dos discípulos e também a maravilhosa resposta que Jesus forneceu.
F. Isso nos leva ao nosso tema de hoje, que é: —
A REVELAÇÃO ACERCA DA PESSOA DE JESUS
Introdução

A. A passagem que queremos começar a analisar hoje é de João 14:7—14. Nela nós vamos encontrar várias afirmações muito importantes e poderosas: iremos ver Jesus fazer uma grande reivindicação acerca de Sua própria Pessoa, não apenas uma vez, mas várias vezes.

B. O contexto imediato do texto que estamos estudando é o seguinte: nosso texto descreve as últimas horas do Senhor Jesus com seus discípulos. Jesus sabia que precisava prepará-los para enfrentarem sua morte, que teria lugar em menos de 24 horas.

I. Jesus Se Revela Como Sendo O Próprio Deus — João 14:7—11

A. Após ter respondido a pergunta de Tomé acerca do caminho para chegar ao lar do Pai celestial, Jesus entende que era necessário reafirmar certas verdades aos discípulos, que ainda continuavam perturbados e confusos.

B. A Condição dos discípulos nos faz pensar até onde a graça de Deus e as limitações humanas conseguem conviver. Os discípulos eram um poço de contradições, mas isso não deve nos impressionar, porque o mesmo acontece conosco.

C. Os discípulos tinham caminhado com Jesus por 3 anos. Mas, de alguma forma, eles ainda não tinham entendido, na prática, quem Jesus era de fato. Jesus sabia disso e esse é o motivo de sua afirmação quando diz o seguinte em

João 14:7

Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto.

D. No verso acima Jesus se compara ao próprio Deus e Pai. Ele já tinha afirmado sua unidade com o Pai alguns dias antes, quando disse:

João 10:30

Eu e o Pai somos um.

E. Por meio dessas afirmações, Jesus declarou, com toda a clareza possível, algo incontroverso acerca de Sua Pessoa: Jesus afirmou que Ele mesmo era o próprio Deus.

II. Como as Pessoas em Geral Reagem à Afirmação do Próprio Jesus de Que Ele É Deus.

A. Quando se trata da opinião acerca da pessoa de Jesus, os seres humanos geralmente podem ser divididos em três grupos majoritários:

1. Primeiro temos os ateus que não acreditam em Deus e, portanto, não acreditam que Jesus é Deus. Não há muito que possamos dizer acerca deles.

2. Depois temos a grande maioria das pessoas que acredita que Jesus foi um bom homem, um grande profeta e outras bobagens do gênero, mas que negam que ele é o próprio Deus.

3. Por fim, temos aqueles que creem que Jesus é quem disse ser: Deus.

B. Queremos analisar essas três posições com a intenção de entendermos melhor as implicações da reivindicação feita por Jesus de que Ele é Deus.

C. Quanto aos ateus não há muito que possamos fazer, porque qualquer argumento é descartado, a priori por eles, uma vez que para eles Deus não existe.

D. Quanto ao segundo grupos de pessoas, aqueles que defendem que Jesus foi um grande homem, um grande profeta, um benemérito da humanidade e etc., mas que Ele não é Deus, nós precisamos colocar duas questões importantes. Partindo da afirmação feita pelo próprio Senhor Jesus de que Ele é Deus, então estamos diante do seguinte trilema — inspirado no trilema criado por C. S. Lewis.

1. Jesus afirmou que era Deus, mas ele realmente não era Deus. Ele apenas achava que era Deus. Jesus estava, até mesmo convicto, que era Deus, como alguns se convencem que são Napoleão Bonaparte ou Abraão Lincoln. Ou seja, ao afirmar ser Deus Jesus estava enganado e enganando a si mesmo. Ele era um louco! Agora, qual de nós qualificaria um louco como um grande homem e etc.?

2. Jesus afirmou que era Deus, mas ele realmente sabia que não era Deus. Sua afirmação tinha a intenção de enganar as pessoas. Ou seja, Jesus não passava de um mentiroso, ao afirmar ser Deus tendo plena consciência de que não era Deus. Qual de nós qualificaria um farsante como grande profeta?

E. Entendem como é frágil a posição dessas pessoas?

F. Por fim, o que nos resta é o seguinte: Jesus afirmou que é Deus e estava dizendo a verdade.

G. Diante disso nós temos apenas duas opções: aceitar a Jesus como Deus ou rejeitá-lo e sofrer as consequências.

III. Filipe Demonstra a Continuada Confusão Mental dos Discípulos — João 14:8

A. Na sequência do nosso texto, depois de Jesus ter afirmado que quem O conhece, conhece também o Pai, Filipe pede ao Senhor que lhes mostre o Pai, pois ele alegava que isso seria o suficiente.

B. O pedido de Filipe está em João 14:8. Seu pedido é o mesmo de muitos através dos séculos e, em muitos casos, até de nós mesmos. Filipe queria uma manifestação visível. Para Filipe, não era suficiente crer no Pai. Ele desejava ver o Pai.

C. A atitude de Filipe nos mostra como funciona, de fato, um coração incrédulo. Um coração que se baseia por aquilo que pode enxergar e não pela fé que é definida como sendo —

Hebreus 11:1

Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.

IV. Jesus Responde a Filipe — João 14:9—11

A. Jesus, então, confronta Filipe. Suas palavras estão em João 14:9—11.

B. Jesus retoma o tema do fato que apesar de terem estado tanto tempo com Jesus, eles ainda não tinham entendido quem Ele realmente era.

C. Jesus reafirma que é Deus ao dizer: Quem me vê a mim vê o Pai.

D. Diante disso, a pergunta de Filipe parece mesmo completamente descabida.

E. O autor de Hebreus que mencionamos no item anterior acerca do que é fé, também nos diz o seguinte acerca do Senhor Jesus —

Hebreus 1:3

Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas.

F. Jesus prossegue seu argumento em João 14:10—11. Ele insiste em afirmar que é Deus.

Conclusão:

A. João 14 é um capítulo que trata, de modo especial, de questões relativas ao conforto que todos nós como cristãos necessitamos. Tal conforto envolve:

1. A certeza que Jesus irá voltar para nos conduzir, pessoalmente, para nosso lar celestial: a casa do nosso Pai.

2. O conhecimento que Jesus se ausentou dentre nós para nos preparar um lugar.

3. A pessoa de Jesus como o próprio caminho que nos conduz tanto para a verdade quanto para a vida eterna.

B. Na mensagem de hoje vimos como Jesus continuou consolando os discípulos revelando a eles uma grande verdade: Jesus é o próprio Deus.

C. Além da reivindicação feita pelo próprio Senhor Jesus de que Ele é Deus, essa mesma verdade foi reafirmada em outras passagens do Novo Testamento como —

Colossenses 1:15—17

15 Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;

16 pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.

17 Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste.

Colossenses 2:8—9

8 Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;

9 porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade.

D. O próprio João confirma tudo isso no início do seu Evangelho, onde lemos:

João 1:1—3

1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

2 Ele estava no princípio com Deus.

3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.

João 1:14

14 E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.

E. Filipe pediu para ver o Pai. Jesus lhe disse: Filipe olhe para mim. Isso é tudo que eu tenho para te oferecer. Você precisa ter fé de que quem vê a mim, está vendo o próprio Pai.

F. Como uma última palavra de conforto, quero deixar com todos um versículo muito representativo de tudo o que dissemos hoje. Depois que Tomé viu as mãos e os pés de Jesus ainda feridos pelos pregos e depois de observar a ferida causada pela lança do soldado romano no peito de Jesus, ele finalmente creu e fez a seguinte declaração —

João 20:28

Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!

G. Tal resposta seria, aparentemente, digna dum grande elogio. Mas Jesus não elogiou Tomé. Pelo contrário, Jesus elogiou outras pessoas acerca das quais disse o seguinte:

João 20:29

Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram.

H. Que possamos encontrar na pessoa de Jesus, que é o próprio Deus, o conforto para nossos corações perturbados e a paz para nossas mentes, tantas vezes, tão confusas.

Que Deus abençoe e fortaleça a todos com essas palavras de verdadeira consolação.

OUTRAS MENSAGENS DA SÉRIE CONFORTO PARA CORAÇÕES AFLITOS

SERMÃO 001 — CONFIANDO NA PRESENÇA DE JESUS

SERMÃO 002 — CONFIANDO NAS PROMESSAS DE JESUS

SERMÃO 003 — CONFIANDO NA PESSOA DE JESUS

Que Deus abençoe e fortaleça a todos com essas palavras.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

domingo, 23 de julho de 2017

EDUCAÇÃO CRISTÃ — ESTUDO 024 — DISCIPLINA NA IGREJA — PARTE 001 - DISCIPULADO


Imagem relacionada

I. Termos Chaves Para a Disciplina no Novo Testamento[1]:

A. μαθητεύσατε matheteúsate — fazei discípulos.

A disciplina, como os vocábulos cognatos “discípulo” e “fazer discípulos, tem sua idéia original, como a raiz no grego indica, na prática da antiguidade de um aluno seguir um mestre ou pensador. Um sábio ou um rabino atraía jovens adeptos que admiravam o seu mestre e ficavam convictos da veracidade de suas idéias. Estavam dispostos a serem moldados, tanto pelo seu pensamento, como pelas suas ações. Nos evangelhos, “Os Doze” seguiram a Jesus com esse intuito. No livro de Atos, os crentes são chamados μαθηταὶ — mathetaì —discípulos, alunos, não numa escola, mas leais seguidores que procuravam conhecer e praticar os ensinamentos de vida de Jesus. O vocábulo μαθητεύσατε — matheteúsate — fazei discípulos em Mateus 28:20, deve ser comparado com Διδάσκαλος  — didáskalos — mestre e com διδάσκω — didásko — ensino, que aparecem em outras referências do Novo Testamento. O discípulo almeja aprender fatos, entender idéias, ganhar uma nova cosmovisão como qualquer aluno. Mas apenas quando tem um compromisso de vida com o mestre, num sentido global, é que o estudante passa a ser um discípulo —

Lucas 14:26—33

26 Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.

27 E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo.

28 Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir?

29 Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele,

30 dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar.

31 Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil?

32 Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz.

33 Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.

Nesse círculo de ideias, a disciplina dá a impressão de formar uma pessoa em conformidade com o caráter e mente do mestre. Paulo diz aos efésios: “Não foi assim que ἐμάθετε  emáthete — aprendestes a Cristo — literalmente, “fostes feitos discípulos de Cristo” — , se é que de fato o tendes ἠκούσατε  ekoúsate — ouvido, e nele fostes ἐδιδάχθητε  edidáschthete — instruídos —

Efésios 4:20—21

20 Mas não foi assim que aprendestes a Cristo,

21 se é que, de fato, o tendes ouvido e nele fostes instruídos, segundo é a verdade em Jesus.

Como em Mateus 28:19—20, primeiro o neófito se torna discípulo, entregando-se de corpo e alma ao Senhor. Depois recebe a instrução necessária para observar o que o Mestre manda. Se um discípulo sabe o que seu Senhor e mestre quer, mas não o faz, põe em dúvida a submissão assumida com o senhor, ao qual prometeu seguir —

Mateus 21:28—32

28 E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha.

29 Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi.

30 Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi.

31 Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus.

32 Porque João veio a vós outros no caminho da justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto, não vos arrependestes, afinal, para acreditardes nele.

O discipulado cristão requer a tomada do ζυγόν  Zugón — jugo de Cristo. Isso que dizer que se  requer que o discípulo aprenda os ensinamentos de Jesus e compartilhe seu caráter πραΰς εἰμι καὶ ταπεινὸς — praús eimi kaì tapeivòs  — manso e humilde,  de coração — ver Mateus 11:28—30. Tanto a instrução como os valores do Mestre devem ser transmitidos aos que creem n’Ele, por intermédio da igreja até a consumação dos séculos — ver Mateus 28:18—20; Atos 2:41—47.

A instrução necessária par cristão que segue a Cristo deve ser recebida pelo ensino e pelo exemplo da Igreja. Ela não é recebida através de nenhum tipo de revelação mística. Pelo ministério da palavra lida, pregada e ensinada, e pela exortação e exemplo daqueles que têm a responsabilidade de ensinar na igreja local. Entre esses estão incluídos os presbíteros, bispos ou pastores, os dirigentes e professores da escola bíblica, e os membros destacados que lideram qualquer ministério de ensino – crianças, adolescentes, jovens, casais, etc. – e que acabam influenciando mais os pensamento e práticas cristãs dos recém-convertidos, levando-os a adotar os hábitos tradicionais de sua comunidade. Paulo falou deste processo da seguinte forma: “Revistam-se do Senhor Jesus Cristo” — Romanos 13:14 — quando essa influência é, exatamente, a que deveria ser — ver Romanos 15:14.

Evidentemente há grande variedade entre as distintas denominações e grupos evangélicos quanto ao estilo de vida que o “vestir-se de Cristo” representa. Entre essas variedades temos: o comprimento do cabelo, deixar ou não crescer a barba, as mulheres vestirem ou não calças compridas, frequentar ou não o cinema e ter ou não uma televisão, entre muitos outras. Elas fornecem claros reflexos da maneira como cada igreja impõe sua interpretação do que significa ser um bom discípulo de Jesus Cristo. Outros grupos enfatizam a transformação ganhando novas atitudes de coração — ver Romanos 12:1—2 — deixando cada membro escolher como deve se vestir ou que lugares deve frequentar como embaixador do Senhor — ver Gálatas 5:1, 13; 2 Coríntios 5:20.

As escolhas feitas pelo novo cristão podem ser erradas porque ele não conhece ainda os princípios bíblicos em que deve basear seus novos valores. Mas nunca tal discípulo deve pensar, que as opções são apenas suas. Jesus Cristo sendo Senhor da vida tem “toda autoridade” — ver Mateus 28:18 — de escolher para nós, seus seguidores o que Ele mesmo achar necessário e conveniente —

1 Pedro 2:21
Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos.

Os apóstolos foram escolhidos como mestres insubstituíveis dos que viriam a crer no Senhor: “ensinando-os a guardar todas as cousas que vos tenho ordenado” — ver Mateus 28:20a. Com essa finalidade produziram os evangelhos e epístolas. A legitimidade das regras impostas sobre os membros de qualquer igreja deve ser mantida unicamente se seu ensino e prática têm base no fundamento dos apóstolos e profetas — Atos 2;42; Efésios 2:20. Por esse motivo, não aceitamos os falsos ensinamentos como os que querem promover uma sucessão apostólica espúria, nem aqueles movimentos que se baseiam em profetas e profetisas e que ensinam coisas contrárias ao que nos é apresentado nas Escrituras Sagradas.

Há uma necessidade incessante de cada crente avaliar, à luz das Escrituras se é realmente a vontade de Deus, o Pai da família, conformar-se à “lei” da igreja a qual pertence. Os cristãos neófitos de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica, pois receberam a Palavra com avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as cousas eram de fato assim — ver Atos 17:11. Essa também deve ser nossa atitude básica.
        
Foi a falta desse autoexame de si mesma que permitiu a Igreja, a partir do século quarto em diante, afastar-se para muito longe da verdade e práticas bíblicas. Lutero foi um dos reformadores que reconheceu que todo cristão compartilha o direito de exercer seu ministério, porque pertence ao sacerdócio universal. A hierarquia não tem exclusiva autorização divina para interpretar as Escrituras. A Igreja também necessita reformar-se constantemente — Ecclesia reformata, semper reformanda. Mas essa incumbência só é possível se os membros seguem a disciplina da Palavra que Deus inspirou para ser “útil para o ensino, para a repreensão, para a correção para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra”— ver 2 Timóteo 3: 16—17. A leitura alternativa da Nova Tradução na Linguagem de Hoje enriquece e facilita muito nossa compreensão desse texto, ela diz:

16 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver.

17 E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações.

Quando percebermos que o alvo principal da pregação, o ensino e a leitura da Bíblia é de conduzir “discípulos” à perfeição — ver Colossenses 1:28 — e habilitá-los para fazer boas obras — inclusive testemunhar efetivamente conforme Efésios 2:10e Tito 2:14 — entenderemos por que casos de disciplina drástica — aquela que acaba destruindo a pessoa — na igreja são um sinal de fracasso, pelo menos parcial, por parte da mesma.

Quem estará disposto a arrancar o olho que nos faz tropeçar antes de primeiro tentar disciplinar o olho errante a ver só o que deve — Mateus 5:29? Cortaria alguém pode cortar um braço antes de fazer o máximo para dominá-lo para fins úteis?

A igreja, mais do que um hospital onde se realizam chocantes amputações de membros externos ou remoção cirúrgica de órgãos cancerosos que ameaçam a vida do corpo, deve ser um lar de médico que ensina seus filhos os segredos da medicina preventiva. Saúde e vitalidade serão mais preciosas para este cirurgião que diariamente está em contato com os que não valorizaram as leis do bem-estar do corpo. Cuidará que seus amados escapem da faca até não haver outro remédio, mesmo no caso dele ser o melhor cirurgião do mundo.

A palavra disciplina pinta o quadro de um mestre seguido por seus discípulos que prestam atenção muito séria às suas palavras, mas almejam imitá-lo também —

1 Coríntios 11:1

Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.

Filipenses 3:12—14

12 Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus.

13 Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão,

14 prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.

Tudo que seu Senhor é, eles procuram ser. É a disciplina que os ensina e corrige os conceitos errados que os discípulos imaginam caracterizar seu mestre.

A igreja que é capaz de suprir um quadro fiel de Jesus Cristo, no ensino e ação, é uma igreja bem disciplinada. A igreja de Jerusalém descrita com traços tão bem escolhidos por Lucas, revela exatamente o que queremos dizer com disciplina positiva.

Atos 2:42—47

E perseveravam na doutrina dos apóstolos — i.e., o que Jesus ensinara e comissionara para eles transmitirem conforme Mateus 28:20 — e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor: e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos... tinham tudo em comum.....
A excelente qualidade do ensino e vida prática na fé não conseguiram evitar a disciplina negativa que Lucas narra em Atos 5 a respeito de Ananias e Safira. Mesmo assim, a igreja de Jerusalém praticou um alto padrão de disciplina positiva primeiro, não oferecendo qualquer motivo de desculpa aos membros tão drasticamente eliminados.


OUTROS ESTUDOS ACERCA DE EDUCAÇÃO CRISTÃ

001 — A EXCELÊNCIA DA VIDA PESSOAL DAQUELES QUE DESEJAM ENSINAR — PARTE 001

002 — A EXCELÊNCIA DA VIDA PESSOAL DAQUELES QUE DESEJAM ENSINAR — PARTE 002

003 —A EXCELÊNCIA DA VIDA PESSOAL DAQUELES QUE DESEJAM ENSINAR — PARTE 003

004 — A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA COM DEUS

005 — OS ALVOS DA EDUCAÇÃO CRISTÃ

006 — A IGREJA NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XXI – PARTE 001 — INTRODUÇÃO — OS COLONIZADORES VÊM EM NOME DE DEUS

007 — A IGREJA NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XXI – PARTE 002 — NOSSAS ESCOLAS TEOLÓGICAS

008 — A IGREJA NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XXI – PARTE 003 — IGREJAS CORPORATIVISTAS E INSTITUCIONALIZADAS E EDUCAÇÃO CRISTÃ PADRONIZADA

009 — A IGREJA NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XXI – PARTE 004 — CONSUMISMO E CELEBRITISMO

010 — O PROPÓSITO SINGULAR DE DEUS PARA OS NOSSOS DIAS

011 — A PALAVRA IGREJA NO NOVO TESTAMENTO

012 — A EXPRESSÃO GREGA “EM CRISTO” — ἐν Χριστῷ

013 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA

014 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 002

015 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 003

016 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 004 — A IGREJA COMO PLENITUDE

017 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 005 — A UNIDADE DA IGREJA CRISTÃ

018 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 006 — HUMILDADE E AMOR EM MEIO À DIVERSIDADE DE DONS
019 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 007 — A IGREJA COMO MISTÉRIO DE DEUS

020 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — Parte 008 — COMO A IGREJA É FORMADA OU CRIADA?

021 — O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO ACERCA DA IGREJA — PARTE 009 — QUANDO A IGREJA COMEÇOU?

022 — OS MINISTÉRIOS DO ESPÍRITO SANTO — PARTE 001

023 — OS MINISTÉRIOS DO ESPÍRITO SANTO — PARTE 002
024 — A DISCIPLINA DA IGREJA — PARTE 001 — O DISCIPULADO

Que deus abençoe a todos.
Alexandros Meimaridis
PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:
Desde já agradecemos a todos.
Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.


[1] O material contido nessa artigo e nos seguintes foi adaptado e ampliado do livro escrito pelo Dr. Russell Shedd – A Disciplina da Igreja. O livro foi originalmente publicado pelas Edições Vida Nova, e não encontra-se atualmente, no catálogo, da editora.